Eu joguei: God Of War 2


Olá leitores!

Dando continuidade a saga de Kratos, joguei God Of War 2 com gráfico remasterizado para o Playstation 3. Confesso que o personagem me conquistou mais do que esperava. Mesmo que já fosse esperado que eu fosse gostar dos games, não imaginei que me apegaria tão fácil. A cada game a história ganha novas proporções e novos desafios, fazendo com que os inimigos nos desafie e nos coloque em frente a grandes indagações pessoais.

Se você ainda não conferiu a minha visão perante ao primeiro jogo, clica aqui para ler. Já adianto que nesse texto você encontrará um pedaço da história da continuação, por isso se ainda não teve a oportunidade em jogar God Of War 2 e não quer perder nenhuma surpresa do enredo, sugiro que leia outras resenhas de games que tem por aqui (clica aqui vai). Caso já tenha tido a sua própria experiência com o novo Deus da Guerra ou apenas não se importe em saber com mais detalhes sobre a história, continue lendo e não esqueça de ao final compartilhar a sua opinião comigo. 

Reprodução: Google

O novo Deus da Guerra

Após derrotar Ares, o Deus da Guerra, Kratos reivindica o seu lugar, tornando-se o único e novo Deus da Guerra. Porém, isso não muda o pensamento dos deuses do Olimpo em relação ao espartano, fazendo com que o guerreiro (agora não mais mortal) continue sozinho em seu trono. Contrapondo ao desprezo dado pelo Olimpo, o exército de Esparta encontra-se ao lado e submisso a Kratos, espalhando raiva e morte pelas cidades dos outros deuses. 

Decidido a ajudar os seus soldados a destruir a cidade de Roma, Kratos segue os seus combatentes. Porém, uma águia misteriosa retira metade de seu poder e o deposita em uma estátua gigante, o qual se torna o objetivo de destruição do novo Deus da Guerra. Após isso uma espada lhe é oferecida por Zeus, a famosa e imbatível Lâmina do Olimpo, que necessita do restante do poder de Kratos para ser manuseada.

Com isso o único poder que ainda lhe resta é depositado na Lâmina, o tornando novamente um mortal. Com a espada tendo caído longe de seu alcance, Kratos é surpreendido pela presença da águia, que se revela como Zeus. Por conta de todos os seus atos cruéis e derramamento de sangue, Zeus decide dar um basta à guerra, assim matando Kratos e o mandando direto para as profundezas do Inferno de Hades.

Novos aliados, novos inimigos

Com uma nova batalha pela frente, Kratos - ainda consciente - consegue ouvir seus pensamentos e resistir à morte, firmando uma nova missão para si: vingar-se matando Zeus. Gaia, a Mãe da Terra, auxilia e aconselha os próximos passos de Kratos. O guerreiro, ao sair do Inferno, deve ir em busca das Três Irmãs do Destino e reverter o tempo, para assim voltar ao passado e derrotar o Deus que lhe traiu.

Além do apoio necessário por parte das Irmãs do Destino, o que poderia não lhe vir com espontaneidade e agrado, o auxílio dos Titãs também era requisitado. Assim, novos aliados se fazem necessários e precisos para a nova jornada, pois talvez sozinho uma vitória não será alcançada. Entretanto não é apenas de aliados que se faz o jogo. Kratos também enfrentará inimigos. Alguns vindos de um passado não tão distante, fazendo com que o guerreiro enfrente seus demônios que há muito ainda o perseguem.

"Se todos no Olimpo negarem a minha vingança, então todos no Olimpo irão cair! Eu tenho vivido na sombra dos Deuses por muito tempo, e a era deles está para acabar!" - Kratos.

Reprodução: Google

É melhor do que o primeiro?

De forma breve, sim. Mas, como já joguei os três, posso afirmar que a cada game a história vai ganhando uma profundidade maior e se tornando melhor. Ou seja, cada um tem a sua majestosidade e importância, mas é inevitável que o avanço não ocorra. Sendo assim, só consigo concluir que fico mais impressionada a cada game; mais feliz por ter conhecido esse personagem e ter me deixado ser levada por essas aventuras.

God Of War 2, no fim das contas, é mais longo do que o primeiro, e isso só torna o game ainda mais positivo, pois conseguimos ficar mais tempo ao lado de Kratos e o acompanhar em sua nova vingança. Também é perceptível que a jogabilidade é melhor do que a do anterior, por mais que as mudanças sejam poucas. Poucas, porém recebidas de bom agrado.

Pode parecer repetitivo, mas não me canso de falar o quanto Kratos conseguiu me "fisgar". Eu me senti dentro do jogo, me senti como se acobertando sua vingança e fazendo parte de sua história. É incrível a maneira como a mescla de tudo - o resultado final - faz com que o jogador se sinta especialmente vidrado e surpreso. A trilha sonora, que fica em minha mente por várias semanas após as jogatinas, continua impecável e tem grande responsabilidade na imersão.

Kratos se transformou em um dos meus personagens preferidos dos games e é adorável acompanhar o seu crescimento, tanto nas questões positivas como também nas negativas, já que o personagem não é o mais amigável que conhecemos (e confesso que isso é um dos pontos para eu amá-lo tanto). Ainda não estou preparada para me despedir dele, então tenham calma com os próximos posts sobre os games seguintes. Afinal, não há problema em serem adiados mais um pouco, não é?
Faça sua compra na Amazon através do nosso link (clique aqui) e ajude o blog a manter-se ativo. Sem taxas ou inclusão de valores, você estará nos ajudando a continuar trazendo conteúdo.

💻 Me acompanhe nas redes sociais:
Comentário(s)
6 Comentário(s)

6 comentários:

  1. Eu nunca havia me interessado por GOW na epoca do ps2 mesmo meu irmão tendo em casa e eu amando mitologia grega. Fui jogar só mesmo nessa versão remasterizada de ps3. Mas ainda estou no primeiro, já que meu irmão emprestou o jogo. Taba curtindo bastante. Inclusive só me falta o Ascension na minha coleção, mas ainda quero recuperar o emprestimo pra finalizar na ordem. Eu pretendo platina-los inclusive.

    Bites!
    ary Belmont

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que legal, Tary! No momento eu já finalizei os quatro jogos, só me falta justamente o Ascension, que confesso não tenho tanta ansiedade assim para jogar, por isso estou adiando para quando estiver morrendo de saudades do personagem sem conseguir aguentar mais, hahahaha.

      Excluir
  2. Se eu jogasse atualmente, com certeza esse seria um dos meus jogos preferidos, ou pelo menos que eu me esforçaria mais pra me sair bem hahahah.
    Kratos é um personagem que me chama muita atenção e é bom saber que os três volumes do jogo são igualmente bons.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Kratos é um ótimo personagem para se acompanhar, já que ele evolui bastante durante os jogos, principalmente em God Of War 4. É interessante ver o quanto seus pensamentos e ações são diferentes entre os games. Eu adoro isso!

      Excluir
  3. Eu parei de jogar videogame faz um tempão, mas meus amigos adoram e eu acabo assistido. hahaha
    GOW tem, sem dúvidas, uma das histórias mais interessantes dos jogos atuais, além dos gráficos que são incríveis!

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso é verdade! As histórias de GOW estão sempre em evolução e acabam sempre nos surpreendendo. Eu adoro a maneira como mescla a trama com a mitologia grega e depois com a mitologia nórdica, com detalhes impressionantes das mitologias e características fundamentais da história do personagem. Não me espanta que o novo tenha ganhado o prêmio de melhor jogo do ano.

      Excluir

Author Image
A autora Thainá Christine

Professora, revisora e escritora de terror. Adora se aventurar em histórias de terror e apreciar os clássicos do gênero. Preza pela representatividade e construção de personagens femininas bem construídas. Espalha Literatura por aí e coleciona autoras inspiradoras.

Conheça minhas obras