Por mais casais como Gomez e Morticia Addams


Olá leitores!
Não sou muito adepta a postagens temáticas em datas comemorativas, mas revendo os filmes A Família Addams, o primeiro de 1991 e o segundo de 1993, e dando início a uma maratona da série de mesmo nome, mas do ano de 1964, fiquei com uma vontade enorme de falar sobre o meu casal preferido e tão amado: Gomez e Morticia Addams. E qual data melhor do que hoje, dia 12 de junho, Dia dos Namorados, para apresentar à vocês o melhor casal de qualquer mídia?

Os Addams por si só são uma família diferente e adequada à sua maneira: Morticia e Gomez amam os filhos e constantemente deixam esse amor claro para os pequenos; a educação de Wednesday e Pugsley é colocada em primeiro lugar, sendo imprescindível que ambos recebam em casa a educação necessária; tio Fester e vovó Addams têm participação ativa na vida da família e exercem grande importância como modelos para as crianças; e ainda o jeito de viver dos Addams, que parece mórbido à principio (e para alguns), mas que contém uma grande dose de amor e reciprocidade. Se você não fica com vontade de ser parte dessa família, eu realmente não entendo qual seria a família mais "certa" para você.

Mas falando especificamente sobre o casal principal, Morticia e Gomez, ao meu ver eles são a personificação de romance ideal: são apaixonados um pelo outro, sem medo ou vergonha de admitir e transpor isso; são extremamente românticos, independente do momento ou lugar, o que importa é a demonstração de amor e desejo; e ambos só somam na vida um do outro. Ou seja, o amor deles é puro, sincero e singelo, não havendo abuso, possessão ou, ainda, aparentando algo forçado.

Acima disso, não há momentos ruins para o casal, mas quando há são driblados de forma conjunta e nada prejudicial para a relação, pois há respeito e cumplicidade. As declarações são sinceras e peculiares à sua maneira. Ambos admiram e exaltam as qualidades e defeitos um do outro, sempre demostrando que cada parte de si é linda, até mesmo as mais sombrias e inalcançáveis. A companhia de seu companheiro é incomparável e se torna insaciável a cada metro de distância, porque há uma necessidade de estarem juntos e ambos adoram essa sensação, mesmo que cada um dê prosseguimento em sua vida também de formas separadas e independentes.

Tradução livre: "Quando estamos juntos querido, toda noite é Halloween."
Pensando exatamente nessa forma de amor e depois de tanto explanar sobre o casal que respeitamos e cujo o amor queremos para nossas vidas, decidi indicar outros casais, mas agora da literatura, para conhecer e se apaixonar. Casais que são tão bem construídos que parecem ser o romance mais certo do universo literário.

Heathcliff e Catherine - O Morro dos Ventos Uivantes (resenha):
Começando por esse, que não aparenta ser tão certo assim, mas que é muito bem construído e real. Por mais que tenha uma ponta de relacionamento abusivo e tóxico nesse casal, é interessante ver o quanto o amor de um pelo outro pode chegar a loucura e trazer atos incompreensíveis aos olhos dos outros. 
Heathcliff se torna um homem desprezível com o passar do tempo por conta das rejeições que sofre ao longo da vida e também por causa do amor negado de Catherine, já que a moça prefere se casar com um homem rico à entregar-se ao amor com o cigano pobre. Se tratando de um dos meus livros preferidos e ponto de partida para o meu TCC, não poderia deixar de indicá-lo, principalmente para o leitor, que ainda não o leu, conhecer personagens femininas cruas, verdadeiras e belamente escritas. Emily Brontë mudou minha visão dentro da literatura e espero que faça o mesmo com outros leitores.

Mariana Fragoso e Théo Santiago - Uma Ilha no Atlântico (primeiras impressões):
Minha leitura romântica mais recente e que automaticamente já se tornou um dos melhores romances que li no ano (e na vida também). Day Fernandes sabe como construir casais apaixonantes e que parecem extremamente certos juntos. O amor nessa obra não é forçado, mas, sim, natural e muito fluido. Você acompanha o crescimento dos sentimentos nos personagens e se sente uma amiga próxima ao confidenciar tudo aquilo.
Mariana é uma personagem cativante e muito parecida conosco. Mesmo que seu principal objetivo seja focar na carreira de arquiteta, ignorando possíveis relacionamentos amorosos, o seu mundo virará de cabeça para baixo ao escutar a voz de Théo, um homem que nem ao menos ainda viu o rosto. Tão atual, mas ao mesmo tempo tendo uma aparência de romance de época, ambos conseguem fazer com que o leitor torça para que o amor prevaleça e vença qualquer barreira.

Lucy e Lyra - Entre Páginas (resenha):
Mais um nacional nessa lista (o de cima também é de uma autora brasileira) e agora com um casal lésbico. A Lis Selwyn tem uma escrita poética e muito doce, fazendo com que o leitor se envolva na história desde as primeiras páginas e se identifique um pouco com cada personagem da história. Eu, por exemplo, tive o prazer de me identificar tanto com a Lucy, uma leitora assídua e maravilhada em sempre conhecer novos mundos, como também com a Lyra, uma mulher mais "fechada", com medo de se mostrar aos outros, mas em contraponto muito protetora e apegada.
O livro também tem um diferencial, pois mistura romance com suspense. Ou seja, há um mistério a ser resolvido, já que o melhor amigo de Lucy, o velho Sir John, foi assassinado e está nas mãos da detetive Lyra encontrar o culpado. É nesse encontro entre as duas que acontece o mais inesperado: elas se apaixonam uma pela outra. E além desse amor que vai crescendo aos poucos de forma sorrateira na vida de ambas, Lucy também tem a chance de se auto descobrir e ultrapassar as próprias barreiras pessoais.

Louisa Clark e Will Traynor - Como Eu Era Antes de Você (resenha e filme):
Sim, eu também fui fisgada por esse fenômeno da Jojo Moyes. Ainda não li as continuações e nem outra obra da autora, mas essa é uma das minhas queridinhas, com toda certeza. Por mais que eu esperasse algo que fosse me agradar, a leitura me tocou tão profundamente que eu chorei a cada página virada, principalmente com o desfecho dessa história inspiradora.
Mesmo que o romance entre Lou e Will seja o principal foco da história, não tem como fechar os olhos para a evolução da Lou como mulher e personagem. No começo, por mais que ela já tenha uma vida construída - emprego, namorado e moradia - é perceptível que o auto conhecimento ainda não chegou ao seu auge. Como assim? A Lou, mesmo que já tenha quase 30 anos, aparenta não ser feliz com a vida que tem e nem consigo mesma, precisando ainda se descobrir e "dar ouvidos" à sua voz interior, ouvir a si mesma. Mesmo que isso aconteça de uma forma meio problemática (através de um homem, o Will), ainda é algo frutífero e que gerará novas possibilidades para o futuro, inclusive realizar seus maiores sonhos e não ter medo de arriscar.

Jake e Sadie - Novembro de 63 (minissérie):
Sendo um livro do Stephen King, já deve dar para imaginar que aqui o foco não é o romance, mas, sim, viagem no tempo. Porém, o casal é tão bem desenvolvido e tão fascinante que é impossível você não se apegar ao amor deles e torcer para que tudo dê certo, mesmo sabendo que as coisas nunca terminam da melhor maneira nas histórias do autor, famoso por não ser tão "bonzinho" com seus personagens.
Após o pedido de um amigo, Jake é encarregado de atravessar a "toca do coelho" e ir direto para 1958 com o intuito de impedir o assassinato do presidente John Kennedy. Mas até chegar o dia do assassinato, em novembro de 1963, Jake tem que construir uma vida em Jodie, no Texas. Inesperadamente acaba conhecendo Sadie, uma bibliotecária, o qual nutre um relacionamento bonito e que passará por algumas provações, resultando em uma parceria e um desfecho emocionante.

Li Lan e Er Lang - A Noiva Fantasma (resenha):
Por mais que no início do livro fique explícito que Li Lan é apaixonada por outro homem e, para piorar, prometida para um espírito, foi inevitável não torcer para ela ficar com o Er Lang, um personagem inusitado e misterioso que se encontra com a jovem quando a mesma vai parar no mundo dos mortos.
Acredito que esse romance, entre todos que citei, deva ser o mais perigoso de se falar, já que Er Lang só aparece depois na história e não pretendo contar o desfecho e muito menos a decisão de Li Lan sobre com quem ficar. Apenas me contenho em dizer que, para mim, esse era o casal que parecia mais certo na história, principalmente por conta da amizade que os dois vão nutrindo ao longo da jornada. A autora Yangsze Choo me surpreendeu, pois não esperava que seria um livro o qual me deixaria tão presa na história e tão comovida pelos personagens. A história da Li Lan é linda e merece ser mais conhecida. De todos livros publicados da Darkside que li até o momento, esse está entre os meus preferidos.
Ainda falando sobre romances reais, abro aqui uma brecha para indicar essa música da P!nk, True Love, que diz de forma verdadeira como um relacionamento a dois é. E deixo os comentários livres para debatermos e indicarmos mais casais que valham a pena acompanhar, afinal eu tenho muita dificuldade em encontrar romances que me agradam por completo, seja por diversas condições.

Me acompanhe nas redes sociais:

CONVERSATION

10 comentários via Blogger
comentários via Facebook

10 comentários:

  1. Posso choraaaar de emoção aqui nos comentários??? Aaaaaaahhh, nem consigo expressar o quanto a Mari e o Théo que vivem em mim estão felizes!!! E eu então, to com um sorriso aqui do tamanho do universo kkkkkkkk
    Muito obrigada mesmo, amiga! Eu amei saber que esse casal se tornou parte da sua vida, é um sentimento unico e especial! Obrigada por me dar esse presente lindo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mari e Théo estão entre os meus casais preferidos e te digo, sinceramente, que ter esse posto não é fácil. Não sou muito fácil de agradar quando o assunto é romance. Tem que ser tudo na medida certa e do jeito que gosto, e encontrei tudo isso e muito mais no seu casal. Estou muito feliz de ter tido essa conexão com eles e mais ainda de ter tido a obra entre os favoritos. O único problema é que eu quero mais de Mari e Théo e não tenho. Então, por favor, vamos agilizar o spin-off, hahahahaha.

      Excluir
  2. Dos casais que você citou só posso opinar sobre o Gomez e Morticia Addams, e tenho que concorda eles são um casalzão da p#@%a, apesar que eu nunca tinha parado para refletir sobre isso até ler seu post. Heathcliff e Catherine eu comecei a ler o livro, mas nunca terminei. =/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que legal que meu post pode te trazer essa reflexão! Eu também não havia parado para pensar até re-assistir aos filmes e perceber o quanto eles são um casal certo. E tente continuar O Morro dos Ventos Uivantes. Sendo um dos meus livros preferidos fico meio em cima do muro na hora de comentar sobre, mas é uma história que vai além do romance e crava fundo em cada personagem. Vale a pena, mesmo que ao final da leitura você não venha a gostar tanto assim.

      Excluir
  3. Apesar de achar Louisa Clark e Will Traynor uns fofos, Morticia e Gomez sempre vão estar no topo do meu coração. Amava assistir os filmes na sessão da tarde. Família Addams é uma obra de arte, estou feliz que vai voltar :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Beatriz!
      Eu não sei se estou feliz com a volta dessa família tão querida, pois tenho medo de coisas darem errado. Mas, temos fé, não é mesmo? Espero que seja mais uma adaptação para se amar.

      Excluir
  4. Eu amo a relação de Morticia e Gomes, principalmente por ser tão parecida com a minha. Eles se completam e somam na vida do outro, como você disse. Gostam de estar juntos, são super parceios. Ah, o amor <3

    Mas confesso que me surpreendi por logo depois de você falar desses dois fofinhos, você indicar o casal de O Morro dos Ventos Uivantes, que pra mim é uma das relações mais tóxicas da literatura rs
    Beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Nati!
      Pois é, eu até tentei explicar no próprio post que Heathcliff e Catherine não são um casal romântico, mas, sim, problemático. Mas achei a indicação válida pelo teor cru e verdadeiro dos personagens, que são tão bem construídos e nos mostram como o amor pode trazer a loucura e a obsessão.

      Excluir
  5. Tirando a familia adams que eu lembro um pouco de quando era criança eu tristemente admito que não conheço NENHUM dos casais citados! Que vergonha hahaha
    Nem o filme do Como eu era antes de você eu assisti, e olha que tá na minha lista desde que lançou :( Fora isso fiquei mea interessada no livro Entre Páginas!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Poxa, Kami. Mas não tem problema! Já pega a lista como recomendação e anota os livros para ler depois! Já adianto que se você gostou do pouco que falei de Entre Páginas, talvez seja interessante você procurar a própria autora e acompanhar seus trabalhos futuros. Ela ainda tem muita coisa boa para trazer para nós!

      Excluir

Sponsor